sexta-feira, 30 de maio de 2008

Dengue, Panamericano e Políticos

por: Winter Bastos

Na terça-feira 27 de maio de 2008, o município do Rio confirmou mais oito óbitos por dengue. É uma verdadeira chacina.

cartaz sobre a dengue retirado da internet


Governantes dizem não ter verba para saúde, mas para projetos faraônicos arranjam dinheiro (o nosso!). Sem a menor cerimônia, pegam recursos públicos e gastam em construções suntuosas, desnecessárias. Quem não se lembra das obras dos Jogos Panamericanos no Rio de Janeiro? Bilhões foram desperdiçados com o tal evento que só serviu mesmo para políticos fazerem autopromoção e engordarem os bolsos dos grandes empresários. Se todo aquele dinheiro tivesse sido aplicado em saneamento básico e saúde, certamente as pessoas não estariam morrendo hoje de doenças que poderiam muito bem estar erradicadas.



tubulação de esgoto quebrada no meio do caminho no boa vista, fonseca - foto: fabio/luiz


Na capital fluminense, a dengue fez 74 vítimas fatais. No estado já chegam a 118 mortos. Não consta que algum deles fosse político ou megaempresário.

quinta-feira, 29 de maio de 2008

Os mecanismos de controle

POR:Alexandre Mendes

Pablo Neruda disse: "A espada, a cruz e a fome vão dizimando a família selvagem." Ele se referia ao brutal processo de conquista e exploração, por parte dos invasores ibéricos, sobre a América. Agora, façamos uma analogia à frase, em relação ao processo de controle e exploração do povo brasileiro.



A ESPADA- O cotidiano dos menos favorecidos, moradores de áreas carentes, movimentos em busca de terras e moradores de rua, que são obrigados a conviver entre o terror e o medo imposto tanto pelo Estado (através da polícia), quanto por organizações criminosas financiadas ocultamente por figuras poderosas. A lei do silêncio, o toque de recolher e os assassinatos são frequentes e fazem o indivíduo refletir que é melhor fazer sua parte e não reclamar de nada.

A CRUZ- São as milhares de igrejas que se espalham pelo país. Algumas pregam o sofrimento terreno como passaporte para o céu,outras procuram orientar o membro à doar tudo o que têm, baseando-se em trechos bíblicos interpretados de maneira falaciosa. Alguns líderes, em época de eleições, chegam a apoiar políticos, e pedem o voto dos membros para tal, no púlpito. Cerimoniais em forma de espetáculo mexem com o sentimento das pessoas. Logo, se esquecem da triste vida que os espera lá fora...

A FOME- Talvez seja o mecanismo mais cruel, pois um bom chefe de família passa por qualquer humilhação para alimentar seus filhos. Portanto, com o implemento da tecnologia em benefício dos empresários, o medo de perder o emprego é constante. Quando chega o mês do aumento_ e normalmente é aquela micharia!_ o empregado resmunga um pouco, mas logo se contenta.

A FAMÍLIA SELVAGEM- Essa é a visão que a elite tem do povo, pois se desfaz dele, ou faz dele o que bem entender. E assim caminha o povo brasileiro rumo à extinção de sua identidade...

quarta-feira, 28 de maio de 2008

COMUNIDADES EXPLORADAS PELOS HIPÓCRITAS.


TEXTO: FABIO DA SILVA BARBOSA
FOTOS: FABIO DA SILVA BARBOSA &LUIZ HENRIQUE PEIXOTO CALDAS

Quando éramos jovens acreditávamos que seria possível um mundo de igualdade e fraternidade, sem a terrível desigualdade e esgoismo que nos destrói pouco a pouco, como um câncer. Sempre tentaram nos convencer que isso era "só uma fase" e que "ninguém pode mudar o mundo". Por um tempo quase nos convenceram. Mas para quem tem o compromisso com a verdade não pode deixar de ver que tudo é exatamente como pensávamos.
Existe um sistema sim. Esse sistema é o que sustenta uma sociedade corrupta, sem nenhum respeito pelas diferenças, o que resulta na desigualdade. Quanto a ninguém poder mudar o mundo citarei apenas 5 nomes, por ser o número de dedos que temos nas mãos. Se quiséssemos, encheríamos sem nenhum sacrifício uma página. Então vamos a eles: Gandhi, Che, Malcon X, Martin Luther King e Zumbi. Satisfeitos? Se quiser tem mais. Muito mais.

PÁGINA DA COMUNIDADE LEVANTANDO OS PROBLEMAS DA MARTINS TORRES E MORROS VIZINHOS

E onde as comunidades carentes ou marginalizadas entram na história? Simples. Como vocês tem acompanhado em nossas matérias e reportagens elas tem sido vítimas desse sistema que as mantém onde estão. Em uma situação de miséria extrema. O básico é negado a elas. E isso tudo temos registrado em fotos, gravações de MP3 e vídeo.

NOSSOS VÍDEOS. AQUI QUE A COBRA FUMA.

Alguns Políticos já tentaram se aproximar, mas até agora não encontramos nenhum dos chamados "Bem Intencionados" . Estamos chegando a conclusão que esses são seres mágicos, como o Saci. Ouvimos falar deles, mas não vemos. Ainda não encontramos um que não recue quando a boa intenção vai de encontro a politicagem.

CANO DE ESGOTO QUEBRADO A MESES NO MORRO DO CAVALÃO. A FOTO FOI TIRADA EM 2007 E POR ELA SE PODE IMAGINAR QUE A MUITO TEMPO O PODER PÚBLICO NÃO PASSA POR ALI. LÁ O ESTADO É REPRESENTADO PELO DPO E O ASFALTAMENTO DA ESTRADA PRINCIPAL. O CAVALÃO NÃO SE RESUME NISSO.

Na maioria das comunidades carentes visitadas ouvimos sempre a mesma queixa: "Eles só aparecem em época de eleições"

Será que isso tudo é invenção?

Será que todos estão mentindo?

Um bom argumento que ouvimos certa vez, foi que eles não tem interesse de resolver o problema porque se não ficam sem ter o que prometer. Então vão dando uma guaribada aqui e ali, de forma que o problema não seja realmente solucionado. Como as cotas nas faculdades. Para que dar um ensino de qualidade se podemos favorecer a meia dúzia e agradar a toda uma comunidade. Isso gera voto. Os tempos mudaram. Esses pequenos agrados não podem mais ser vistos como soluções.

ESGOTO NA BELTRÃO PASSA PELAS PORTAS DAS CASAS E A CÉU ABERTO

A grande sacada é o seguinte. Quem precisa das escolas públicas são os mesmos que precisarão das faculdes públicas. Só que esses não terão acesso as faculdades porque o que é cobrado no vestibular não é o que eles aprenderam no 1° e 2° grau. Da um pulinho na UFF e olhe seu pátio. Só carro do ano. Está claro como água*. Isso é o que chamamos de manutenção da pobreza e exploração pelos hipócritas, que vão para a TV mostrar-se indignados contra a causa de suas ações.
Outra forma de exploração exercida por essa raça detestável (os hipócritas) foi já citada nesse mesmo texto, a exploração pelo voto. Não se venda por esmolas. Eles podem fazer muito mais. Eles precisam do seu voto. Se não estão trabalhando mande embora. Podemos despedi-los. Nós somos os patrões. Nós pagamos seus salários e os colocamos lá

*A expressão claro como água tem de ser usada com cuidado hoje em dia, já que com a poluição está cada vez mais difícil achar água clara.

PROTESTO NO BAIRRO DE FÁTIMA.

_Um filme que pode reforçar a idéia da exploração das comunidades carentes e principalmente a manutenção da pobreza é o curta documentário "Notícias de uma guerra particular". Destaque para a entrevista com Hélio Luz. Na época chefe da polícia civil no estado do Rio de Janeiro.

terça-feira, 27 de maio de 2008

COMENTÁRIOS QUE CHEGAM

evandro santos pinheiro deixou um novo comentário sobre a sua postagem "O CAOS MORA AQUI":
Achei muito interesante o trabalho que vem sendo feito nessa comunidade.
No rio de janeiro como em minha cidade não é diferente o descaso, porem no rio é pior pelo numero de pessoas que sobrevievm condições subhumanas.
Mas logo logo isso sera sanado, com trabalhos como esse que vem sendo feito..gostei muito.

RESPOSTA:
VALEU EVANDRO.
E QUEM QUISER CONHECER O BLOG DO EVANDRO É SÓ ENTRAR EM:
evandrocomunidade.zip.net

FSB/FLH

segunda-feira, 26 de maio de 2008

ÚLTIMA SEMANA

ESSA É A ÚLTIMA SEMANA DA CAMPANHA DO LIVRO. VOCÊ AINDA TEM ATÉ SEXTA PARA AJUDAR A MUDAR A VIDA DE CRIANÇAS QUE NÃO TEM ACESSO A LEITURA. BIBLIOTECAS INFANTIS SERÃO MONTADAS EM COMUNIDADES CARENTES DE NITERÓI. DOE UM LIVRO. ESCREVA UM FUTURO. ESTANTES PARA ARRUMARMOS AS DOAÇÕES NAS COMUNIDADES TAMBÉM SERÃO BEM VINDAS. QUANTAS COMUNIDADES SERÃO AGRACIADAS? SÓ DEPENDE DA QUANTIDADE DE LIVROS. SÓ DEPENDE DE VOCÊ.

domingo, 25 de maio de 2008

O CAOS MORA AQUI

TEXTO & FOTOS POR: FABIO DA SILVA BARBOSA & LUIZ HENRIQUE PEIXOTO CALDAS
Sempre que pensamos ter visto o extremo em nossas visitas as comunidades de Niterói, acabamos por descobrir que a realidade pode ser pior do que se pensa. Estivemos no Morro Boa Vista, no Fonseca preparando nossa próxima matéria para o impresso UNITERÓI e nos deparamos com situações chocantes como podemos comprovar nas duas fotos tiradas. Na de cima o Presidente da Associação de Moradores do Morro Boa Vista, Hélio, mostra o esgoto sendo lançado no quintal da moradora Magali, que pode ser observada na foto abaixo com seus filhos e crianças da vizinhança que brincam no quintal coberto por fezes e água contaminada.
Esse é apenas um dos fatos impactantes que pudemos observar e que em breve serão reportados em nosso blog.
É aí que pensamos na desigualdade gritante em que vivemos. As vezes nos abalamos com acontecimentos em países da África ou Oriente Médio, mas nos esquecemos ou ignoramos a miséria que está bem próxima, estendendo os braços a nos tocar.
Acordem enquanto é tempo!!!
As pessoas não precisam passar por isso!!!

sábado, 24 de maio de 2008

A REVOLUÇÃO EXÓTICA

Por:Alexandre Mendes

É fato corriqueiro o tratamento menosprezante das bases do poder em relação ao povo.Isto se deve aos antigos regimes,implantados com o objetivo de controlar as massas,a fim de estabilizar sua hegemonia no poder.
Observemos que desde o início do século XX em diante,surgiram movimentos que procuravam a desestabiliza ção ou queda das lideranças,originados dentre a classe média e oligarquias esquecidas. O povo,durante todo esse tempo,foi utilizado como massa de manobra.Uma declaração do tenente Juarez Távora,um dos cabeças do movimento tenentista e do golpe de 30,expõe bem essa idéia em relação às propostas de Prestes (condição proposta por ele para sua participação no golpe que seria:a proclamação da revolução agrária a ser realizada e definida pelas massas). Pedia o confisco e a divisão das terras dos latifundiários para entregá-las gratuitamente aos camponeses,além do confisco e nacionalização de todas as empresas estrangeiras no Brasil, anulação da nossa dívida externa e a instalação de um governo dirigido por conselhos proletários com participação de soldados e marinheiros.
Na declaração, Juarez Távora discorda do manifesto "revolucionário" de Luis Carlos Prestes, afirmando não crer na exequibilidade de uma revolução através da massa inerme do proletária do, isto é, ele não acreditava que o povo pudesse articular um governo sem o uso de armas, usando a inteligência. Além disso, Juarez Távora, pede na declaração a continuidade e apoio "nos mesmos meios em que o golpe de 30 havia sido alicerçado até então". Távora também enfatizava que não cria na possibilidade de sucesso no golpe,adotando o "EXOTISMO" dos conselhos de operários.
Pense e reflita: Porquê essa idéia do povo ainda parece ser atual? O povo não deveria ser levado em consideração durante as decisões políticas?
créditos:"O último tenente"
J.A.Gueiros
Record,1996

RESPONDA A SEGUINTE PERGUNTA:
Qual a sua opinião sobre as regalias do sistema carcerário para pessoas de nível superior?
Mande sua resposta.A resposta mais bem elaborada será publicada na comunidade.
O endereço é comunidadeeditoria@yahoo.com.br.

SUGESTÃO PARA LEITURA:
- Democracia,Violência e Injustiça
O Não-Estado de Direito na América Latina Juan E.mendés/Guillermo O'Donell/Paulo sérgio Pinheiro
editora Paz e Terra,2000
Análise do perfil institucional das democracias latino-americanas,refletindo as cartas de direitos,presentes nas Constituições e a realização efetiva desses direitos.
Uma definição para o Não-Estado de Direito das classes desfavorecidas,no qual os autores procuram demonstrar a disparidade entre a abertura e fortalecimento dos direitos políticos,e a frágil e imcompleta extensão de direitos civis às massas.

FRASE: "Não corram tanto!Vão pensar que estamos fugindo!"
-Atribuída a D.Maria I, a Louca,
quando a família real portuguesa se retirava de Lisboa para o Brasil,
em 1807.

ALEXANDRE MENDES

sexta-feira, 23 de maio de 2008

Uma birosca respeitável

Por: Winter Bastos

"Cobrinha entrou no buteco e botando dois tistas no balcão pediu pro coisa
– Dois de gozo
Coisada atendeu à la minuta Largou no copo talagada e pico de água-que-passarinho não topa e sem tirar a botuca da cara do cobrinha empurrou o getulinho
– Tou promovendo a bicada"
Antônio Fraga – "Desabrigo"

No livro "Abraçado ao meu rancor" (São Paulo: Ed. Cossac & Naify, 2001), o escritor João Antônio demonstra uma bronca danada do que hoje chamamos choperias, todas ascéticas, frias, brancas, fluorescentes, sem personalidade. Ele estava certo; dá lá para se ficar à vontade num bar que parece farmácia?

Modernamente iniciaram outro logro para otários: os pseudobotequins. O sujeito inaugura um estabelecimento gigante num ponto caro à beça e coloca o nome de "botequim honesto", "boteco", "butiquim"... Nesses bares pululam trouxas que acabam enfileirados à frente de algum telão ou TV de plasma. Passam a noite consumindo chope aguado, burrice televisiva e petiscos que custam os dois olhos da cara – fora o outro. Eu ir num lugar desses? Nem no dia de "São Nunca".

Agora, caso queiras conhecer botequim de verdade, te apresento um. Colado ao pé do Morro da Cutia em frente a uma pracinha a gente o encontra aconchegante e acolhedor: Bar da Tia Deise.(Av. Ari Parreiras, 192, Icaraí, Niterói – RJ tel. (21)27226971, 27227104). Lá se bebe cerveja de garrafa – nada parecida com a água amarelada que vendem em tulipas por aí. Ao lado direito de quem entra há uma maquininha de música. Coloca algum trocado e escolhe o estilo que quiseres; tem forró, industrial, samba, romântico, roquenrol, brega, metal, sertanejo, rap, progressivo, o diabo a quatro! Depois pergunta o que é que há para beliscar. Vão te servir bem e cobrar um preço justo. Pede pimenta, põe no copo de mocotó (hummm!). Quando acendes um crivo, "dona Deise, cinzeirinho por favor", pronto: és atendido com sorriso. Simpatia é quase amor.

Um cara vai até a máquina, escolhe o hino do Flamengo; vascaínos acham graça: clima sempre amigável, sem bate-fundo. Chega alguém e te cumprimenta com tapinha nas costas, é teu conhecido que há muito não vês. Uma moça bonita anda pela calçada. Tu te lembras dum trecho de "Abraçado ao meu rancor":

"Controla, disfarça mal uma sapequice, quando passa por mim, que nos sorrimos de olhos, quase um conluio maroto, encabulado e duvidoso no começo, quando ela me pilhou olhando a mancha de suor nas suas axilas."(páginas 196-197)

A noite é bela. Não parece Icaraí. Alguém conta uma piada. Jogo de porrinha. Chega mais gente.

– Outro copo por gentileza.





COMUNIDADE NO ORKUT:

BAR DA TIA DEISE
http://www.orkut.com/Community.aspx?cmm=37419247

descrição:
SE VOCÊ QUER CURTIR UMA CERVEJA BEM GELADA COM OS AMIGOS OU SOZINHO EM UM AMBIENTE FAMILIAR, O LUGAR É ESSE: Rua Ary Parreiras, 192, em frente a pracinha, ICARAÍ, NITERÓI.VOCÊ IRÁ SE DELICIAR COM OS CALDOS E TIRA GOSTOS, ALÉM DE UM X TUDO DOS DEUSES PARA OS QUE QUEREM FAZER UM LANCHE REFORÇADO.O ESTABELECIMENTO AINDA CONTA COM UMA MÁQUININHA DE MÚSICA COM ACERVO PARA AGRADAR A TODOS.E SE VOCÊ QUER UM ALMOÇO GOSTOSO SEM SAIR DE CASA É SÓ LIGAR: 27226971 OU27227104
idioma:
Português
categoria:
Culinária, Bebidas e Vinhos
dono:
nenhum (tornar-se moderador)
tipo:
pública
privacidade do conteúdo:
aberta para não-membros
fórum:
não-anônimo
local:
NITERÓI, RJ, Brasil
criado em:
10 de agosto de 2007 00:19
membros:
7

CONTATOS: Evandro Santos Pinheiro

acesse meu blog e de sua opinião sobre a descriminalização do aborto no brasil.

é so clicar no link abaixo:
http://evandrocomunidade.zip.net/
sua opinião é muito inportante para nos!!!
deixe seu comentario!!!
connheci vcs no cmi...

quinta-feira, 22 de maio de 2008

O MINISTÉRIO É SHOW!!!


QUEM TEVE O ENSEJO DE CONFERIR A APRESENTAÇÃO DOS MENESTRÉIS DO BAIÃO NA UNIPLI TEVE UMA OPORTUNIDADE DE OURO. EMBORA O SOM NÃO TENHA AJUDADO MUITO, O CIGANO CONSEGUIU UMA DESENVOLTURA SEM IGUAL. CRISTIANO DEU UMA PALINHA NO TRIÂNGULO, ENQUANTO O MINISTRO E NÓS, ESSES HUMILDES REPOTERES QUE VOS FALAM, FABIO DA SILVA BARBOSA, O HOMEM QUE JÁ TEVE MUITOS NOMES, MAS QUE ATUALMENTE ATENDE PELO VULGO DE CABULLOZY, E LUIZ HENRIQUE PEIXOTO CALDAS, VULGO LUFFY, PROMOVIAM A CAMPANHA DO LIVRO EM UM MIX COM A CULTURA NORDESTINA. O NOVO INTEGRANTE DA TRUPE, ALEXANDRE MENDES, O NOVO ANTIGO MILITANTE, TAMBÉM COMPARECEU, FAZENDO UMA EXCELENTE SURPRESA. IMAGENS PARA O DOCUMENTÁRIO EM ANDAMENTO SOBRE O MINISTÉRIO FORAM COLETADAS. WINTER, SÓ FALTOU VOCÊ MEU VELHO.

PARA QUEM PÔDE IR, O NOSSO MUITO OBRIGADO, MAS PARA QUEM NÃO PÔDE, AINDA HÁ TEMPO DE AJUDAR.

O MINISTRO E SEUS REPÓRTERES


UM ENCONTRO DE GIGANTES, ZÉ DE MOHURA (O MINISTRO DO BAIÃO) E VARELA ( NOSSO GURU), O HOMEM QUE ENSINOU TUDO QUE SABEMOS.

DOIS NOMES DE PESO: ZÉ DE MOHURA E MARCO BONETTI. JUNTOS!

AÇÃO!!!

ATÉ O FINAL DO MÊS VOCÊ TEM UMA CHANCE DE APOIAR UMA BOA IDEIA.

TODAS AS FOTOS, MENOS É CLARO A QUE APARECEMOS, QUE FOI TIRADA POR ALEXANDRE MENDES, SÃO DE NOSSA AUTORIA.

quarta-feira, 21 de maio de 2008

É HOJE


SHOW EM APOIO A CAMPANHA DO LIVRO NA UNIPLI, UNIDADE CENTRO, NITERÓI. A PARTIR DAS 18:00 HS. VAI SER IMPERDÍVEL. PARTICIPAÇÃO DO CIGANO DO FORRÓ E DO MINISTRO DO BAIÃO ZÉ DE MOHURA. MAIORES INFORMAÇÕES PELOS TELEFONES DO CARTAZ.

A EVOLUÇÃO DA ESCRAVIDÃO

POR: ALEXANDRE MENDES


Analisando o regime escravista em épocas e lugares diferentes,chegaremos a conclusão de que não há um modelo universal para a aplicação deste.Na Grécia Homérica,enquanto alguns escravos não eram dignos da menor confiança,outros possuiam terras doadas pelo seus donos,constituiam família e até adquiriam seus próprios escravos.Ser escravo na Grécia,ainda era melhor do que não participar de nenhuma família(Oikos),ser livre sem uma família(teta)era a pior posição social.

Em roma,os escravos ocupavam diversos cargos dentro das famílias:os rurais viviam em piores condições, havia os especializados em alguma função: (vinhateiros, porqueiros,etc),o Vilicus obtinha a melhor posição:administrava a terra e os demais escravos de seu senhor. No Brasil colônia,o escravo trabalhava nas plantações de forma sub-humana,uma tentativa de fuga era seguida de diversas chibatadas no tronco,ou até a mutilação como castigo.

Atualmente,o regime escravocrata é considerado extinto.Porém reflita:

*Você é livre para ir onde quiser amanhã?

*O que acontece se você ficar desempregado?

*Você já engoliu algum sapo do seu patrão, para não perder o emprego?

*O que acontece com você se não pagar todas as suas dívidas e impostos?

*E se você agredir verbalmente uma autoridade?

*E se ela te agredir verbalmente?

*O que acontece se você parar de votar?

Essas e outras questões nos mostram como estamos presos a uma teia social* ,na qual um conjunto de leis,regras e costumes impostos pelo Estado e Elite, nos prende ao regime capitalista de forma covarde. Portanto a escravidão não acabou, ela apenas foi adaptada para o modo de podução capitalista atual.

*Max weber



RESPOSTA ao comentário de Ricardo das Candogas relativo ao meu primeiro texto no blog ("Desmascarando"):

Ricardao das Candongas disse...
Após esta explanação satisfatória, traçando uma perspectiva do cenário do trabalho mundial, qual a possível solução a longo prazo ? Possívelmente a curto prazo, não há com certeza uma solução possível...Como redefinir os paradigmas da sociedade capitalista mundial atual _sem que para isso, seja necessário pegar em armas_ para que haja realmente uma mudança no padrão de vida e de escolhas das pessoas e famílias no mundo ?hein hein hein !?!?!?

Meu caro Ricardo das candongas:

O sistema capitalista,além de utilizar a mídia contra o povo,ele também tem o poder de mutar e se adaptar com o tempo e espaço compreendido.Max weber com sua sociologia compreensiva,desanimou completamente com a facilidade de adaptação e continuísmo de que tal sistema teve após a 1ª Guerra.Já karl Marx, em seu "Manifesto do Partido Comunista" nos diz: A burguesia não pode existir sem a condição de revolucionar incessantemente os instrumentos de produ ção,portanto,as relações de produção e,com isso,todas as relações sociais.

-Após o Golpe de 64,uma parcela da juventude intelectualizada ,inspirada na Revolução Cubana e etc, buscou derrubar o poder através das armas. O governo (através da mídia) reagiu,colocando-os como terroristas. Consequentemente o Movimento Revolucionário ficou isolado, não tendo a participação direta do povo. Sendo assim, devemos levar em consideração a conscientização do povo.Nossa contribuição é a divulgação das idéias e críticas, buscando um espaço cada vez mais ostensivo, alcançando as massas com uma escrita simples, sem expressões complexas. Como o próprio amigo comentou, Não há solução a curto prazo, e a longo prazo será o fruto dessa integração entre povo e conscientização.

SOS FAZENDO MEDIA

RECEBEMOS UM TRISTE E-MAIL DOS COMPANHEIROS DO FAZENDO MEDIA. RESOLVEMOS DIVULGA-LO AQUI, BUSCANDO APOIO DAS PESSOAS QUE REALMENTE ACREDITAM EM UM MUNDO E EM UMA MÍDIA MELHOR. SOMENTE NOS APOIANDO MUTUAMENTE CONSEGUIREMOS ERGUER UMA MÍDIA DE QUALIDADE E LIVRE. POR ISSO CONVIDAMOS A TODA IMPRENSA ALTERNATIVA A DIVULGAR ESSA PERDA QUE ESTÁ NA IMINENCIA DE TERMOS NO NOSSO FRONT, NA LUTA CONTRA A MÍDIA BURGUESA, QUE DEFORMA MAIS QUE INFORMA.
FABIO DA SILVA BARBOSA & LUIZ HENRIQUE PEIXOTO CALDAS (FSB&LHPC)

Ajude a manter o Fazendo Media


Amigos, boa noite.

Escrevo a essa hora da madrugada pois geralmente é quando consigo tempo para me dedicar a esta atividade de crítica de mídia. Escrevo e não reclamo, pois cada hora de sono roubada é muito bem recompensada quando percebo que tenho conseguido passar a mensagem que quero passar. Mas o propósito deste comentário é outro. O fato é que em março deste ano alugamos uma salinha no centro do Rio, em parceria com a revista Consciência.Net. O endereço, para quem quiser nos visitar, é: Rua do Ouvidor 50, 5o andar. É quase esquina com a Av. Primeiro de Março. A conquista desse espaço é uma vitória para o Fazendo Media, que conseguiu alugar sua primeira sede após cinco anos de trabalho. Entretanto, corremos sério risco de perdê-la. Em nossa última reunião mensal, realizada sexta-feira passada, dia 16 de maio, chegamos à conclusão de que nosso "caixinha" seria suficiente apenas para o pagamento de mais dois meses de aluguel. A receita projetada com a venda de assinaturas não se confirmou e, como não temos anúncio (a não ser os do Google, que até hoje não conseguimos sacar), a triste solução será entregar as chaves. Entretanto, como este fazendomedia.com possui 2 mil visitantes únicos por dia e circula por um número incalculável de pessoas via correio eletrônico, antes de desistir da sala vou fazer um apelo a cada um de vocês que me lê: faça uma assinatura do Fazendo Media impresso ou uma doação de qualquer valor.

Sua contribuição pode ser decisiva para a continuidade do nosso trabalho, cujo objetivo final é a democratização dos meios de comunicação no Brasil.

Assinatura:

Um ano (doze edições): R$ 45,00
Dois anos (vinte e quatro edições): R$ 85,00
Conta para depósito:Caixa Econômica FederalAgência: 0222Conta: 3131-2Operação: 013
Após o depósito, escreva para assinatura@fazendomedia.com e informe nome, telefone de contato e endereço completo (com CEP) para completar sua assinatura.


Entregamos em todo o Brasil.

Um grande abraço,
Marcelo Salles

Resultado da enquete

Você é a favor da diminuição da maior idade penal?

Sim
14 (66%)

Não
7 (33%)

Enquete encerrada com 21 votos

É HOJE


SHOW EM APOIO A CAMPANHA DO LIVRO NA UNIPLI, UNIDADE CENTRO, NITERÓI. A PARTIR DAS 18:00 HS. VAI SER IMPERDÍVEL. PARTICIPAÇÃO DO CIGANO DO FORRÓ E DO MINISTRO DO BAIÃO ZÉ DE MOHURA. MAIORES INFORMAÇÕES PELOS TELEFONES DO CARTAZ.

terça-feira, 20 de maio de 2008

NOSSOS COLABORADORES ESTÃO PRODUZINDO EM RITMO FRENÉTICO.

É isso aí rapaziada. Vamos quebrar tudo! Contamos com vocês.
DESMASCARANDO II
POR: ALEXANDRE MENDES

Às vezes você deve se perguntar por que a imagem de Jesus Cristo,nos livros e pinturas,é de um homem caucasiano,ou então quando vê um negro em destaque na sociedade,toma até um susto ou se impressiona. Mas afinal,de onde vem esse pensamento racista profundamente arraigado em nossa consciência? Na verdade,esse racismo vem dos ideais do colonizador europeu, que era cristianizar e organizar socialmente os povos colonizados, fazendo com que aceitassem(de forma pacífica ou não) a exploração de sua terra e trabalho. A consolidação do racismo etnocêntrico europeu, foi forjada na necessidade de se escrever "uma história para a nação", após a independência do Brasil, visando posteriormente o ensino desta nas escolas com o objetivo de conformar e delinear papéis na sociedade.
Atualmente,o que vemos no ensino é o desenvolvimento de tal técnica. As escolas públicas são fracas,porém há um fortalecimento no ensino profissionalizante, de baixo custo ou até gratuito. Isto é, "eles" querem que o pobre (a maioria negra ou mestiça) seja no máximo o "técnico",mas raramente o "doutor". Em contrapartida,as escolas particulares buscam preparar os alunos (a maioria branca) de forma que alcancem com facilidade o emprego, ou lugar de destaque na hierarquia social (que é visto como seu por direito).
A democratização do ensino é lenta. Só a implementação da história da África e do índio nos programas escolares ainda é pouco. O que faz falta são escolas de cunho anarquista e independente, como as Escolas modernas, inspiradas em Ferrer y guardia, do início do século. Infelizmente, podemos afirmar que o ensino democrático ainda é uma utopia...


A opressão à mulher

Por: Winter Bastos

Hoje em algumas organizações que se dizem de cunho revolucionário, questões relativas à emancipação feminina são tidas como secundárias. Primeiro seria preciso resolver assuntos ditos mais urgentes, relacionados sobretudo à esfera econômica. Tal visão é tributária do marxismo, que reconhece todas as demais relações de poder na sociedade como mero reflexo da estrutura econômica. Daí se conclui que, uma vez alcançada a coletivização absoluta dos bens, com o aniquilamento da propriedade privada, as demais questões que afligem o povo – machismo, racismo, homofobia (discriminação a homossexuais) – se resolveriam como que magicamente.

Na verdade, tal posicionamento esconde um mal disfarçado menosprezo por temas que não atingem diretamente àqueles que ditam os tais assuntos prioritários na agenda revolucionária. Ora, é obvio que não continuariam se engajando em lutas tidas como importantes, negligenciando questões "pequenas", se estas os ferissem continuamente. É fácil considerar secundário o preconceito contra alguém que não sou eu.

As mulheres, no entanto, insistem em levantar tais questões "secundárias", afinal é nas costas delas que o açoite do machismo se abate; pouco lhes importa que os demais açoites devam cessar primeiro, segundo dita a ortodoxia "revolucionária".

Não raro, as mulheres acabam sendo tachadas de pequeno-burguesas por sua insistência em tratar de "pequenas" questões cotidianas. Chamar uma mulher de burguesa por ela se preocupar com a divisão do trabalho doméstico, ou liberdade para namorar sem a repressão paterna, é pura opressão machista travestida de radicalismo revolucionário. Tal comportamento é compreensível nas fileiras marxistas, já que nelas a revolução é concebida por etapas: primeiro o mais importante, depois o secundário. Assim o marxismo entende que primeiro deve haver a ditadura do proletariado que garantiria o essencial a todos: moradia, alimentação, saúde, educação. Depois o Estado iria – paulatinamente – incorporando os indivíduos aos aparelhos estatais, concedendo mais e mais poder decisório a um número crescente de pessoas. Assim um dia todos se tornariam parte do governo e desta forma deixariam de existir governantes e governados: todos seriam líderes e ninguém seria súdito. Dentro desta lógica – que aliás nunca se verificou na prática –, a mulher também deixaria de ser súdita.

Isso é bem diferente no Anarquismo (se você não conhece esse movimento político, informe-se em http://www.farj.org/). No meio anarquista – eu dizia -, é entendido que não pode haver etapas na revolução. Ela é algo para já. Em um conhecido aforismo, o escritor checo Franz Kafka (1883-1924) escrevera: "Há um local de destino mas não há caminho que nos leve até ele. O que chamamos de caminho é apenas indecisão". Não existem questões prioritárias e secundárias, há problemas que parecem mais ou menos importantes a umas ou a outras pessoas. Todos devem ser considerados e levados a termo.

Não basta, porém, a abolição formal da dominação masculina. Num ambiente militar, por exemplo, onde as relações de poder oficialmente se baseiam em patentes hierárquicas bem definidas, o machismo as transgride impunemente a despeito dos regulamentos formais. Vê-se, em festividades de ambientes militares, tenentes médicas se apressarem a cobrir e pôr quitutes sobre as mesas, enquanto sargentos e cabos conversam despreocupados, com a maior naturalidade, aguardando ociosos o início do evento.

De modo análogo, numa comunidade pretensamente livre cujos estatutos estabelecessem formalmente a abolição de hierarquias, o machismo poderia perdurar em relações cotidianas.

Hoje, mesmo no seio da repressora sociedade capitalista, temos que lançar a semente libertária que consiste na busca em vivermos da maneira mais anárquica possível desde já.

A opressão da mulher é enorme e ao mesmo tempo quase invisível. Ela consiste em uma série de maneiras de agir e pensar profundamente enraizadas em nossos corações e mentes. As questões de gênero parecem obvias, naturais, dadas. É como se sempre o homem e a mulher houvessem tido exatamente o mesmo papel que têm hoje. No livro A Dominação Masculina (Rio de Janeiro: Ed. Bertrand Brasil, 1999), Pierre Bourdieu atenta para o fato de que a divisão de gêneros, e de papéis entre eles, parece ser algo fora da história, algo inerente à ordem do mundo, imutável e universal. Lê-se na página 17:

"A divisão entre os sexos parece estar 'na ordem das coisas', como se diz por vezes para falar do que é normal, natural, a ponto de ser inevitável: ela está presente, ao mesmo tempo, em estado objetivado nas coisas (...), em todo o mundo social e, em estado incorporado, nos corpos e nos habitus dos agentes, funcionando como sistemas de esquemas de percepção, de pensamento e de ação."

Porém Bourdieu constata que os papéis que homens e mulheres adquirem, dentro de sociedades, não são uniformes, nem imutáveis, mas apenas visam a aparecer dessa forma, se naturalizar, como se fossem universais e existentes desde sempre: "aquilo que na história aparece como eterno não é mais que o produto de um trabalho de eternização que compete a instituições interligadas tais como a família, a igreja, a escola e também, em uma outra ordem, o esporte e o jornalismo..." (p.6).

A construção da masculinidade moderna estava fortemente ligada a nova sociedade burguesa que se consolidava no fim do século XVIII. Foi aí que os principais estereótipos da masculinidade como conhecemos hoje realmente surgiram.

Os modelos de masculino variam de lugar para lugar e de grupo para grupo, porém pode-se dizer que eles comumente estão ligados ao patriotismo, ao civismo, à honradez. O estereótipo da masculinidade moderna – sobretudo européia e norte-americana – engloba ousadia, autocontrole, coragem, bom-senso e ponderação.

Dentro deste prisma, enquanto a mulher é tachada de consumista, desequilibrada, irresponsável, impulsiva, guiada por instintos, o homem seria caracterizado como econômico, prudente, trabalhador, provedor do lar.

Ao sexo masculino seria reservada a vida pública, enquanto a mulher estaria naturalmente destinada à esfera privada: lar, filhos, família.

Em princípio não há que se condenar um casal em que a mulher tenha optado por cuidar dos afazeres domésticos enquanto o homem trabalha na rua. Porém considerar que tal estrutura é natural e obrigatória é algo profundamente pernicioso. Este tipo de estruturação da vida familiar foi tão naturalizado e introjetado nas pessoas que hoje é exigido também da mulher que trabalha fora que cuide sozinha da casa e dos filhos – tarefas "naturalmente" femininas. Quando essa dupla jornada de trabalho se torna demasiado extenuante, as famílias que não obrigam a mulher a abandonar seu emprego externo, para se dedicar ao seu "papel natural" no lar, optam por contratar uma empregada (notem: uma empregada, não um empregado). Assim o marido "progressista" de classe média julga resolver o problema da dupla jornada da esposa livrando-a do serviço doméstico. Mas nos cabe indagar: e a empregada doméstica? Ela trabalhará fora o dia inteiro, depois terá que cuidar sozinha da própria casa, afinal isto é trabalho de mulher, ou não?

Pois bem, não é atividade de mulher nem de homem. Não há nada na natureza ou no cosmos que determine qual deve ser o trabalho ou a conduta masculina ou feminina. Todas as formulações que buscam fundamentar uma moral para o homem e outra para a mulher não passam de construções teóricas que tentam naturalizar e eternizar um modelo conveniente às estruturas sociais dominantes.

Diz-se, por exemplo – sobretudo no contexto latino-americano –, que o homem seria naturalmente propenso ao adultério e que reprimi-lo por essa prática seria uma agressão à sua masculinidade. Em contrapartida a mulher seria monogâmica por natureza e aquelas que transgredissem esta regra o estariam fazendo por falha de caráter. Chega-se a formular justificativas biológicas para isso. Os homens, por serem dotados de milhões de espermatozóides, seriam propensos a distribuí-los a uma grande quantidade de mulheres, pois estas só produzem um óvulo por mês. Quando se quer criar coelhos, por exemplo, é aconselhável deixar o mesmo macho com várias fêmeas para rápido aumento da criação. O fato é que não somos coelhos ou preás – pretendemos ser seres humanos – e nosso objetivo como sociedade não é fecundar o maior número de fêmeas possível. Seria bem fácil criar alguma teoria de cunho biológico que "provasse" que o homem deveria ser casto, enquanto à mulher caberia ter vários parceiros. Basta pensar, por exemplo, que é possível a mulheres manterem 30 relações sexuais por dia enquanto o homem estaria "naturalmente" destinado a uma vida sexual menos agitada, por limitações de ordem biológica.

A mentalidade machista que perpassa toda a sociedade, mesmo sem percebermos, contamina nosso cotidiano e traz graves conseqüências.

Uma filha adolescente dormindo até tarde é algo que fere de forma irracional a mãe de família que encara com naturalidade o pai roncar até meio-dia recendendo à cerveja. Quando o pai sai do quarto, vestido apenas com o calção do pijama, se queixando da ressaca, a primeira coisa que pergunta é: "Essa menina ainda está dormindo?". A mãe suspira como que lamentando a filha indolente que tem. Se, acordada pelos pais, a jovem sai do quarto só de camisola, será certamente acusada de falta de compostura. É, de fato, insuportável a uma família constituída nos moldes burgueses ver uma adolescente dormir, andar de camisola, comer, sair com namorados...

Já o filho – apesar de também ser, até certo ponto, considerado propriedade dos pais – é incentivado à vida pública: sair, beber, dirigir, ter amigos e, sobretudo, mulheres. Ele não deve ter propriamente uma namorada; quanto mais efêmeras e numerosas suas ligações amorosas, mais felizes os pais ficam.

Na sala, deitado, um rapaz pede à irmã que lhe prepare um sanduíche. Se a irmã lhe responde que o faça ele mesmo, a mãe intervém chamando-a de preguiçosa e indo ela mesma preparar o lanche do filho (trabalho doméstico, "natural" da mulher). Depois de uma cena familiar deste tipo, normalmente se passa o resto do dia falando mal da jovem, chamando-a de egoísta e imprestável. Seria, porém, inconcebível que a moça pedisse ao irmão que lhe preparasse comida ou fizesse qualquer favor doméstico.

Numa família muito pobre, tal tipo de opressão pode trazer conseqüências devastadoras para a mulher. A filha mais velha pode, por exemplo, ser forçada a ficar em casa cuidando da mais nova enquanto o irmão vai à escola. A filha dedicada o que ganha? Ignorância e escravidão doméstica. A ela restará a esperança de que talvez um dia venha a ser resgatada de sua triste realidade por algum príncipe encantado que a leve a algum bonito castelo. Até lá permanece sofrendo, beijando mais e mais sapos, esperando que algum deles se torne príncipe. Um dia engravida, leva uma surra em casa, é posta na rua, sem lar, instrução ou trabalho. É grande a possibilidade de se tornar prostituta e vir a servir ao rapaz de classe média que exigia, da irmã, um sanduíche. Ele se sentirá feliz em encontrar alguém que o sirva sem restrições, mas no fundo a considerará uma preguiçosa como a irmã, caracterizando-a como mulher de vida fácil.
Nenhuma mulher tem vida fácil sob o capitalismo.

segunda-feira, 19 de maio de 2008

Comunidade nordestina se organiza no Ministério do Baião em Niterói.

Texto: Fabio da Silva Barbosa e Luiz Henrique Peixoto Caldas
Fotos: Fabio da Silva Barbosa, Luiz Henrique Peixoto Caldas
e o fotógrafo convidado, Sérvulo Augusto.
O MINISTRO E OS REPÓRTERES DO BAIÃO
A cidade de Niterói sempre foi conhecida por sua intensa atividade cultural e por ser celeiro de nomes consagrados no meio artístico como Baby do Brasil e Paulo Roberto Chumbinho, baixista que acompanhou Tim Maia durante anos na banda Vitória Régia. Agora, que a face cultural da cidade parecia estar adormecida, nasce um movimento que não para de crescer. Oriundo da comunidade nordestina que vive na região, o Ministério do Baião está se erguendo sob as bases sólidas da cultura e história do nordeste brasileiro.
O CAFÉ DA MANHÃ NORDESTINO ACONTECE REGADO A MUITO FORRÓ, CULTURA E ANIMAÇÃO.

Quem comanda tudo é o Excelentíssimo Ministro do Baião, Zé de Mohura, que produz eventos de peso, como o já tradicional Café da Manhã Nordestino. O Café acontece quinzenalmente aos domingos no Bar do Paulinho, cujo proprietário recebeu a comenda Marques da Gastronomia do próprio Ministro Zé de Mohura. Os títulos são distribuídos de acordo com a função de cada um nos trabalhos elaborados pelo Ministério. Além do café com rapadura, da tapioca e das outras comidas típicas que ficam sobre uma grande mesa, a presença do Cigano do Forró mantém o ambiente animado com muita música, completando o evento que se chama Domingueira Show. O bar se localiza na esquina da Rua Professor Otacílio com Vereador Duque Estrada, em Santa Rosa e segundo os planos do Ministro, será o Centro de Cultura e Tradições Nordestinas.
Outro evento que já está fazendo parte da agenda do ministério são as apresentações em escolas e faculdades. No mês de Abril se apresentaram na Escola Estadual Nossa Senhora Auxiliadora e em Março no Centro Universitário Plínio Leite, apoiando a campanha do livro que visa montar uma biblioteca infantil em uma comunidade carente de Niterói.
Seu livro “Aquarela do Nordeste” está na segunda edição e pode ser considerada a pura literatura de cordel. São 27 páginas com versos que citam grandes nomes, como Lampião, Paulinho Mohura (Marques da Gastronomia), Severino (Amigo das Comunidades), Padre Cícero e até uma “Apologia ao Jumento”. Os livros podem ser encontrados no Bar do Paulinho ou pelos telefones 8835-6067 e 9121-5915.

De Luiz Gonzaga a Zé de Mohura



Zé de Mohura, nascido no município de Umbuzeiro na Paraíba, completou 63 anos no ultimo mês de Março. Foi lavrador e pecuarista na sua terra. Aos 15 anos já tocava em festas locais. No final dos anos 60 foi considerado um ícone do baião, por toda região do Cariri.
Veio para o Rio nos anos 80, onde trabalhou na construção civil. Passado algum tempo, ganhou a vida como porteiro e zelador. Ainda em 80 criou um grupo de forró chamado “Forró do Povo”, apresentando até a década de 90 os melhores sanfoneiros e “cantadores” da época. Atualmente, criou o grupo “Os Menestréis do Baião” e abandonou um pouco a sanfona e o canto para se dedicar à organização do Ministério, a fazer versos, e a divulgar o grupo, que presta homenagem a Luiz Gonzaga, considerado como o melhor astro do século XX no gênero. “Rapaz, Luiz Gonzaga foi precursor e eu sou o difusor. É nisso que me especializei. Na dança, no verso falado... na difusão. Eu apresento e represento minha cultura.” Explica Zé.
Como sempre participou ativamente da história cultural de seu povo, se aprofundando em suas raízes e riquezas, decidiu que a grande Comunidade Nordestina que habita as diversas comunidades existentes em Niterói, deveria se unir para não deixar morrer seus costumes. “Estamos divulgando a verdadeira cultura, não tem nada a ver com isso que está acontecendo por aí. O povo está precisando de categoria e nós vamos levar um forró de categoria até eles.” Se emociona o Ministro.

O MINISTRO APRESENTA O CD E O DVD

A plataforma se apóia na música, na gastronomia, no turismo e na poesia. A música é representada principalmente por Proviete e o Cigano do Forró, que estão entre os melhores sanfoneiros da atualidade. A gastronomia é representada pelo seu Marques, Paulinho Mohura. O turismo ainda está em construção, mas já tem suas diretrizes traçadas. A poesia fica por conta do Ministro que acaba por contribuir em todos os demais campos de atuação.
Um CD e um DVD estão em andamento, fazendo parte do projeto “Sua Majestade o Baião – De Luiz Gonzaga a Zé de Mohura”, que irá abranger um público maior por ser lançado na grande mídia. No CD o Ministro irá expor o primeiro Baião do século XXI, “Baião do Ratinho”. O DVD irá registrar o Dia a Dia do Ministério. Será um documentário de aproximadamente uma hora passando pela história, pelos eventos e acima de tudo, será um material pronto para imortalizar um homem que acreditou em seu ideal, transformando sonho em realidade.

O Ministro do Baião: Zé de Mohura.



Comunidade: Fale um pouco sobre o Ministério.

Zé de Mohura: Em primeiro lugar gostaria de agradecer a presença dos meus amigos “Os Repórteres do Baião”; Rick e Fabinho. Gostaria também de agradecer ao nosso amigo correligionário Cérvulo Augusto. O Ministério é a verdadeira integração dessa comunidade maravilhosa, que é a Nordestina. É à volta e o novo baião. O Baião do século XXI. É um trabalho que está sendo divulgado em âmbito regional, mas que irá se elevar a nacional. Não é mesmo senhores Repórteres?

Comunidade: Claro Ministro. E os projetos futuros?

Zé de Mohura: Na verdade o projeto é tão grandioso que não cabe em um projeto. Ele se apóia em uma plataforma. Esse é o nosso caso. A plataforma se apóia na música, na gastronomia, no turismo e na poesia. O que futuramente vai levar a música a frente vai ser o grupo “Os Menestréis do Baião” que ainda não está pronto de fato. Já temos os sanfoneiros e os espetáculos, mas quando esse grupo estiver definitivamente fechado poderemos ir além da onde estamos indo. Serão os percussores do novo baião.

Comunidade: De todas as bases da plataforma o turismo é a única que ainda não foi posta em prática. Por quê?

Zé de Mohura: Nosso trabalho é um trabalho sério. Não podemos fazer as coisas de qualquer jeito. Algumas coisas dependem um pouco mais de tempo. Mas os contatos já estão sendo feitos. Antes do que se espera essa ultima base irá se concretizar, como as outras se concretizaram. Acredito que daqui a 1 ou 2 anos já estaremos indo para o Nordeste e depois vamos apresentar nosso trabalho em Portugal. O negócio é avançar. Estamos vivendo a globalização e a globalização não é local. Ela é universal. Vamos levar nossa cultura aonde for possível.

Comunidade: O senhor sempre fala com muita seriedade do seu trabalho, mas é uma pessoa sempre à vontade e tranqüila. Como consegue associar os dois extremos? O rir e o sério?

Zé de Mohura: Nós estamos botando para quebrar. Estamos brincando em serviço. Se divertindo enquanto trabalha. E isso não é para qualquer um.

Comunidade: É por isso que o seu trabalho está dando certo.

Zé de Mohura: E vai dar certo mesmo. Porque trabalhar se divertindo não é uma questão só de virtude, mas de capacidade também. E quem vai julgar esse trabalho é o povo. Não existe analista melhor que o povo.

Comunidade: E o que o povo pode esperar do CD?

Zé de Mohura: Boa música nós temos. Graças a Deus.

Comunidade: Tem o DVD também.

Zé de Mohura: O DVD é um trabalho de juntar uma colcha de retalhos. Estamos acabando de juntar a colcha para nos cobrir. Assim que ficar pronto vamos colocar junto do CD para vender em tabuleiros nas feiras.

Comunidade: E o Café Nordestino?

Zé de Mohura: O Café Nordestino é isso aqui que vocês estão vendo. É um encontro de amigos que se encontra para aproveitar um café com rapadura e as especiarias do Nordeste. O aroma e o sabor regional. Ta aí. Se quiser aproveitar... Depois da cerveja toma o café.

Comunidade: Então faz um improviso para fechar essa matéria.

Zé de Mohura: Vou falar sobre o Nordeste.
Quero falar sobre o Nordeste.
Saldar a nossa classe nordestina.
O povo da Paraíba, João Pessoa e Campinas.
O Rio Grande do Norte
terra de caboclo forte.
Nossa terra potiguarina


Projetos Comunidade

Campanha do Livro

O Projeto Comunidade, que já extravasou os limites dessa página está empenhado em montar bibliotecas infantis em comunidades carentes de Niterói. Para isso precisamos de sua ajuda. Deposite nas caixas de coleta no Centro Universitário Plínio Leite um livro que derrepente está esquecido em sua casa, ou que pode ser adquirido em um sebo qualquer por uma quantia que muitas vezes não chega a R$ 1,00. É um pequeno sacrifício que você vai fazer por uma grande causa.
Faça sua parte. É muito fácil reclamar da situação de nossas crianças, mas é muito mais fácil ajudar. Contamos com todos vocês.
Telefones para contato: 2199-1521 ou 9103-0101
Apoio: Curso de Comunicação Social UNIPLI
Coordenação: Marcos Bonetti
(colocar cartaz da campanha)

Rádio Comunitária

O Projeto comunidade com o apoio do professor e coordenador do curso de Comunicação Social da UNIPLI, Marco Bonetti, está se empenhando para montar uma Rádio Comunitária na comunidade Alarico de Souza em Santa Rosa. O projeto poderá se converter em projeto de extensão da faculdade e já conta com o apoio e integração dos moradores e lideranças locais que aguardam ansiosos pela chegada do evento, já que lá o único projeto existente é a escolinha de futebol, feita pela própria comunidade.
A rádio trará inúmeros benefícios ao lugar já que eles não têm um veículo para divulgar seus acontecimentos e reuniões. Aulas de rádio jornalismo serão administradas dando plenas condições dos próprios moradores executarem seus programas.
Vamos torcer para que tudo de certo. A comunidade agradece.

Aulas de Jornalismo

As comunidades que estiverem interessadas em receber aulas sobre jornalismo e até confeccionar seu próprio jornal é só entrar em contato pelo e-mail comunidadeeditoria@yahoo.com.br . Estamos aguardando.

Conheça nossos projetos na internet

Nosso endereço na web é comunidadeeditoria.blogspot.com . Temos também nosso profile e nossa comunidade no Orkut. Participe. Sua comunidade pode entrar no ar.
DIA 21/05 NÃO PERCAM O SENSACIONAL SHOW DE APOIO A CAMPANHA DO LIVRO COM O MINISTÉRIO DO BAIÃO NO CENTRO UNIVERSITÁRIO PLINIO LEITE DAS 18 AS 19 HORAS. SERÁ UMA EXPERIÊNCIA ÚNICA. ISSO PODEMOS GARANTIR.

domingo, 18 de maio de 2008

UM NOVO ANTIGO MILITANTE

QUEREMOS DAR AS BOAS VINDAS A ALEXANDRE MENDES, QUE AGORA INTEGRA NOSSO QUADRO DE INCONFORMADOS LUTANDO POR UM MUNDO MELHOR. ALEXANDRE FOI PEÇA FUNDAMENTAL NO MOVIMENTO PUNK ANARQUISTA DE NITERÓI NOS ANOS 90. NESSA ÉPOCA, EM QUE ELE JÁ ATUAVA NA LUTA SOCIAL ATIVAMENTE, ERA CONHECIDO PELO CODINOME LIXO, SINAL DA ADERÊNCIA TOTAL A CONTRA CULTURA. HOJE ELE AINDA SE REBELA CONTRA AS INJUSTIÇAS DO MUNDO, MOSTRANDO QUE A REBELDIA NÃO É UMA FASE PASSAGEIRA. AFINAL, COMO JÁ DIZIA O LOBOTOMIA "SÓ OS MORTOS NÃO RECLAMAM"
SALVE ALEXANDRE,
NOSSO NOVO ANTIGO MILITANTE
E AGORA TAMBÉM HISTORIADOR.
(FSB&LHPC)

DESMASCARANDO

Por: Alexandre Mendes

Vivemos atualmente EM uma sociedade na qual o medo e a incerteza são dois sentimentos cotidianos.Aquele que tem seu trabalho,normalmente aceita todas as imposições do empregador.As frases de efeito para essas situações são comuns:"Segura seu emprego que está difícil lá fora!" ou "Tem até gente formada fazendo concurso para gari" e etc.O grande causador deste mal estar psicológico usa a máscara da mídia alienadora e conformista.
O controle da opinião pública com o objetivo de impôr as regras ao povo é uma prática desde as primeiras civilizações.Na Grécia(séc.VI),os professores da arte retórica ou sofistas,inicialmente induziam o povo ao voto com seus discursos.Era a aristocracia grega e consequentemente viviam no ócio,diferente do povo,que por exercer o fardo pesado do trabalho,não tinham tempo para organizar seu raciocínio mediante os discursos bombásticos da elite.
Já na Revolução Francesa (1789), a burguesia revoltada pelo custo dos impostos vai articular a queda da monarquia,baseando-se no Iluminismo,idéia precursora do Liberalismo capitalista.Logo tratam de usar o povo,dizendo-se iguais,até que quando conseguem tomar o poder demonstram sua verdadeira idéia em relação ao povo: O estabelecimento de uma igualdade jurídica, mas não social. Dois acontecimentos históricos, em tempos absolutamente diferentes, que podemos observar em seus distintos momentos apenas um aspecto em comum: A dominação do povo através da propaganda de uma idéia que antes de ser aprovada pela maioria,parece perfeita.
Esse poder de controle se desenvolveu e atualmente no sistema capitalista é utilizado pelos grandes empresários e políticos (latifundiários e corruptos) que se interligam formando um conluio explorador da classe trabalhadora.Porém o trabalhador não percebe que está sendo explorado cada vez mais: A Imprensa,com suas matérias sensacionalistas e dinâmicas,impedem o trabalhador de raciocinar sobre si próprio. A Imprensa apoia a elite. A Imprensa é da elite.Portanto,se faz necessário o desenvolvimento de uma Imprensa desligada do aparelho Estatal e da classe empresarial.
Não deixemos que os mártires da luta contra a ditadura (Um dos objetivos foi a liberdade de Imprensa) tenham morrido em vão. A Imprensa deve ser livre para conscientizar o povo de sua situação

sexta-feira, 16 de maio de 2008

VC AINDA PODE AJUDAR


A CAMPANHA DO LIVRO VAI ATÉ O DIA 31 DESSE MÊS. VOCÊ AINDA PODE AJUDAR. NÃO PERCA ESSA CHANCE DE SER SOLIDARIO. O MUNDO PRECISA DE VOCÊ.

quarta-feira, 14 de maio de 2008

O povo e a leitura

Por: Winter Bastos

O Brasil inteiro tem cerca de mil e duzentas livrarias, menos que Buenos Aires sozinha, quando o índice da UNESCO para países com a nossa população recomenda pelo menos 17 mil. Os livros são caros e o governo finge incentivar a leitura apoiando eventos elitistas como a Bienal do Livro do Rio de Janeiro (da última vez só a entrada custou R$10 e o acesso de ônibus foi dificílimo para quem não mora na Barra da Tijuca). As bibliotecas públicas são apenas duas mil e oitocentas no país todo. Conseqüentemente o índice de leitura no Brasil não excede o percentual de 0,9 livro/ano por pessoa; o patrimônio vocabular médio do jovem mal chega a trezentas palavras; somente 24% dos brasileiros alfabetizados são capazes de ler e entender um livro na sua totalidade.

Por essas e outras, se torna essencial a criação de centros de cultura comunitários. Se todas as comunidades e bairros populares tivessem uma biblioteca – por menor que fosse – o hábito de leitura iria se proliferar e as pessoas desenvolveriam suas potencialidades intelectuais e artísticas.

Reflexão e pensamento crítico sempre são estimulados por bons livros. Como ter acesso a estes, hoje, sem despender muito dinheiro? Uma forma seria através das já citadas bibliotecas; outra seria recorrer a sebos.

Sebos são lojas de livros usados. Em tais estabelecimentos podem-se encontrar títulos esgotados com preços acessíveis e até livros de apenas R$1. Mas muitos trabalhadores e estudantes deixam de aproveitar tais vantagens por simplesmente desconhecê-las.

Em Niterói (RJ) existem mais de 10 sebos, dentre os quais é destaque a Livraria Ideal (2620-7361) – que em março de 2008 completou impressionantes 73 anos de presença no mercado de livros. Há também: Livraria Caminho (2721-0402), Toda prosa (9673-5378), Universo do Livro (2721-0112), Só Letrando (2613-0720), etc.

BATIZADO DA ESCOLA DE SAMBA DA GROTA "O BEM AMADO" - AGUARDEM O FILME - POR FABIO DA SILVA BARBOSA & LUIZ HENRIQUE PEIXOTO CALDAS


video

POR: FABIO DA SILVA BARBOSA & LUIZ HENRIQUE PEIXOTO CALDAS



terça-feira, 13 de maio de 2008

BLACK POWER - A UNIÃO DA COMUNIDADE NEGRA

POR: FABIO DA SILVA BARBOSA
Surgido nos anos 60, o Partido Pantera Negra para Auto-Defesa, tinha como objetivo inicial patrulhar os guetos onde a comunidade negra vivia e era constantemente abordada com brutalidade pela polícia americana. Mais tarde passou a se chamar Partido dos Panteras Negras e assumiu uma postura revolucionária. Em seu auge, ainda nos anos 60, tinha mais de dois mil militantes. Sua luta pelos direitos dos negros e por compensações por anos de exploração branca incomodou a chamada América Branca, que reagiu prendendo vários de seus membros. A pressão exercida sobre o grupo foi tanta que conseguiram por fim dissolve-los. Sua marca está até hoje gravada na luta negra por dignidade.

FOTO DE UMA MANIFESTAÇÃO DOS PANTERAS RETIRADA DA INTERNET

Mumia Abu-jamal foi integrante dos Panteras Negras. Depois de algum tempo foi ser jornalista na Filadelfia, onde ficou conhecido por seu programa de rádio "A Voz dos Sem Voz". Mumia foi condenado a morte nos anos 80 por ter matado um policial que espancava seu irmão. Depois de muitos protestos e abaixo assinados contra a sentença, tida como mais uma armação do poder americano contra os Panteras, outras audiencias ocorreram e várias irregularidades foram encontradas no processo de Mumia. Embora a justiça americana tente trata-lo como preso comum, é de conhecimento de todos sua situação como preso político. Atualmente Mumia aguarda por uma decisão que vai optar pela pena de morte ou converte-la em prisão perpétua.

Foto de mumia retirada da Wikipédia

MAIORES INFORMAÇÕES SOBRE O CASO:

cma-j.blogspot.com

http://www.freemumia.com/

http://www.mumia2000.org/

www.prisonradio.org/mumia.htm

http://www.abu-jamal-news.com/

segunda-feira, 12 de maio de 2008

CAMPANHA DO LIVRO

VOCÊ AINDA TEM UMA CHANCE DE FAZER A DIFERENÇA.
PARTICIPE.
ATÉ O FINAL DE MAIO NO PÁTIO DA UNIPLI OU PELOS TELEFONES DO CARTAZ A CAMPANHA DO LIVRO ESTARÁ RECOLHENDO MATERIAL PARA MONTAR BIBLIOTECAS INFANTIS EM COMUNIDADES CARENTES DE NITERÓI.
UM PEQUENO ATO PODE MUDAR O FUTURO.
DIA 21/05 APOIO A CAMPANHA COM MUITO FORRÓ DO GRANDE E ÚNICO MINISTÉRIO DO BAIÃO. PRESENÇA CONFIRMADA DO MINISTRO DO BAIÃO ZÉ DE MOHURA E DO CIGANO DO FORRÓ.

sexta-feira, 9 de maio de 2008

COMUNIDADE NORDESTINA

O MINISTÉRIO DO BAIÃO TEM DUAS NOTÍCIAS PARA DAR. UMA BOA E OUTRA MELHOR AINDA.

1) A APRESENTAÇÃO EM APOIO A CAMPANHA DO LIVRO FOI TRANSFERIDA PARA O DIA 21/05. VAI SER IMPERDIVEL. MAIORES DETALHES PELOS TELEFONES: 21991521 / 91030101.
2) A PÁGINA DA COMUNIDADE, DO IMPRESSO UNITERÓI,DESTACA ESSA IMPORTANTE ORGANIZAÇÃO DA COMUNIDADE NORDESTINA EM NITERÓI. EM BREVE POSTADA EM NOSSO BLOG.
FSB&LHPC

quinta-feira, 8 de maio de 2008

O poder da palavra

Por: Winter Bastos

Em "A Genealogia da Moral", Nietzsche afirma que a linguagem é "exteriorização da potência dos dominantes" e fundamenta esta idéia através da própria etimologia das palavras. Mesmo os conceitos de bem e bom teriam surgido de classes exploradoras que visavam caracterizar suas ações como positivas ("boas"). Segundo o filósofo, mau vem do latim malus (que deriva de melas, negro) e serviria para designar o homem plebeu de cor morena e cabelos pretos, do solo itálico. Em gaélico, a palavra fin, que significa "o bom", "o nobre", antigamente significava "o de cabelos louros" (celtas – dominantes – eram extremamente louros).

A linguagem seria o meio para dominadores imporem como positivo aquilo que eles têm de distintivo em relação aos demais. No livro "Poder e Domínio" (Rio de Janeiro: Ed. Achiamé, 2001), Fábio López López – baseando-se em Nietzsche – afirma que as classes exploradoras em todos os tempos criaram expressões e, através da linguagem, impuseram valores, transmitiram sua ideologia e consolidaram dominação.

Para driblar a opressão da palavra, é necessário desnudá-la: entender a gênese e o significado de provérbios e vocábulos; buscar definir os termos que utilizamos; conviver com a língua escrita, desenvolvendo hábitos de boa leitura. Só assim podemos escapar de dizer o que não queremos ou de aceitar o que é ruim para nós.

Muitos, porém, atuam no sentido de tornar a linguagem inebriante, nebulosa, enganadora, para, desta maneira, manter a população fascinada e ignorante. É o caso do chatíssimo jurista Rui Barbosa, do poeta parnasiano Olavo Bilac (com seus esteticismos vazios) e do prosador Coelho Neto (com intermináveis louvações aos poderosos).

Num caminho oposto, o libertário Lima Barreto (1881-1922) ironizava tanto os escritores "importantes" que usavam uma linguagem pomposa, quanto os leitores que se deixavam impressionar: "Quanto mais incompreensível é ela [a linguagem], mais admirado é o escritor que a escreve, por todos que não lhe entenderam o escrito" (BARRETO, Lima. "Os Bruzundangas". Rio de Janeiro: Editora Ática, 1998).

Em "Triste fim de Policarpo Quaresma", ao referir-se com ironia a um personagem pedante, lemos: "A sua sabedoria superior e seu título 'acadêmico' não podiam usar da mesma língua, dos mesmos modismos, da mesma sintaxe que esses poetastros e literatecos (...) O processo era simples: (...) invertia as orações, picava o período com vírgulas e substituía incomodar por molestar, ao redor por derredor, isto por esto, quão grande ou tão grande por quamanho, sarapintava tudo de ao invés, empós, e assim obtinha o seu estilo clássico que começava a causar admiração aos seus pares e ao público em geral".

Na escrita de outro autor revolucionário, Antônio Fraga (1916-1933), também há liberdade em relação a modelos pré-estabelecidos e maçantes. O mesmo se dá com o excelente contista João Antônio (1937-1996). Mas, antes de todos eles, esta escrita renovadora e comunicativa já tinha sido ensaiada por Manuel Antônio de Almeida (1831-1861) no divertidíssimo romance "Memórias de um Sargento de Milícias" que pode ser facilmente encontrado em bibliotecas e sebos da cidade.

Leiam bastante, amigos, só assim a gente não embarca nas falácias dos "sabichões".

quarta-feira, 7 de maio de 2008

EXPOSIÇÃO VIRTUAL

TEXTO E FOTOS POR: FABIO DA SILVA BARBOSA & LUIZ HENRIQUE PEIXOTO CALDAS

O ARTISTA CRISTIANO CORREA, JÁ CONHECIDO DOS NOSSOS LEITORES (ver matéria: comunidade e cultura), ESTÁ TRABALHANDO EM UMA NOVA OBRA. ORGANIZAMOS ESSA MOSTRA PARA QUEM AINDA NÃO CONHECE O TRABALHO DESSE GRANDE ESCULTOR.
SALVE CRIS.


MÁSCARA


HENDRIX
HOMEM COBRA

CRISTIANO, HENDRIX E O HOMEM COBRA NA EXPOSIÇÃO DA TOCA DO TATU.

Obra em andamento. A CARRANCA

PARA QUEM SE INTERESSA POR ARTE, ESSA É A OPORTUNIDADE. APRENDA COM O MELHOR. CRISTIANO CORREA ABRE TURMA COM NÚMERO LIMITADO DE ALUNOS PARA PASSAR SUA TÉCNICA ÚNICA AS NOVAS GERAÇÕES.









terça-feira, 6 de maio de 2008

O Q CHEGA NO ORKUT

Cleber:
O blog que te falei ontem
http://caradefuinha.blogspot.com/
Abração!!!




Winter:A Revolução Mexicana e Filme Viva Zapata
O Círculo de Estudos Libertários Ideal Peres e o Cine Arte Maracajá convidam:"A Revolução Mexicana" - Com Exibição do Filme "Viva Zapata!" seguida de debate.
Data: 10/05 - Sábado
Horário: 14h
Local: Centro de Cultura Social - RJ(CCS-RJ) / Rua Torres Homem 790 - Vila Isabel(pertinho do final da av. 28 de setembro e atrás da escola de samba Vila Isabel)
Como chegar: Pegar o ônibus integração do metrô para Vila Isabel na estação do metrô de São Francisco Xavier ou os ônibus 438, 433, 434, 638, 232, 268, ou qualquer um que passe na av. 28 de setembro.
Vindo de Niterói é só pegar o 703 (Vila Isabel).Favor Divulgar!!Abraços Libertários!-

- "Temos guardado um silêncio muito parecido com a estupidez"
(Eduardo Galeano retomando uma pichação anônima na Bolívia em 1808)

segunda-feira, 5 de maio de 2008


VC AINDA TEM TEMPO DE AJUDAR.
FAÇA SUA PARTE.

domingo, 4 de maio de 2008

COMUNIDADE PESQUEIRA



Em breve a Comunidade Pesqueira vai estar em uma edição impressa superespecial com todo espaço para botar a boca no trombone.

U_

quinta-feira, 1 de maio de 2008

Falha Nossa

1) Gostaríamos de pedir desculpas a todos que compareceram para a apresentação do Ministério do Baião em apoio a Campanha do livro, mas devido a forte chuva em Niterói e ao engarrafamento ocasionado pela mesma não pudemos realizar o espetáculo. O mesmo será remarcado e a campanha continua acontecendo e precisando de seu apoio. Assim que a nova data for marcada postaremos aqui.

2) Gostaríamos de pedir desculpas a comunidade do Zulu pela demora na instalação da rádio, mas esse processo não tem dependido apenas de nós. Contamos com a compreensão de todos e podem ter certeza que a luta pela realização desse projeto está em andamento.

Resultado da enquete

QUAL SUA OPINIÃO SOBRE A PENA DE MORTE?

CONTRA
8 (53%)

A FAVOR
4 (26%)

DEPENDE
3 (20%)

Votos: 15